Blog Sol & Ar Mundo Água

10 DÚVIDAS COMUNS SOBRE AQUECIMENTO SOLAR

Categories:

Mesmo não sendo uma tecnologia tão nova (no Brasil, existe desde a década de 70), o aquecimento solar de água ainda gera muitas dúvidas por aqui. Desde como funciona esse sistema na prática, qual o custo envolvido e qual o retorno que se obtém e por aí vai… Para ajudar você a compreender melhor o assunto e se inteirar dos benefícios do aquecimento solar, reunimos nesse post as dez dúvidas mais comuns.

 

  1.   A instalação desse sistema é muito complicada?

Não, não é complicada. Basicamente, esse sistema é composto de dois itens essenciais: os coletores solares, ou placas, e o reservatório térmico. Em algumas instalações, é necessário o uso de bombas para circulação da água nos coletores solares.

  1.  Em qualquer lugar compensa instalar o aquecimento solar?

Sim, compensa e muito! Seja residência, empresa, hotel… Qualquer estabelecimento que utilize água aquecida pode instalar esse sistema para evitar o uso de energia elétrica para aquecimento de água. Não importa o porte de sua empresa, há sempre uma maneira de atender à sua necessidade. Antes da instalação, porém, especialistas visitam o local para conhecer o terreno e certificarem-se de que não haja áreas de sombreamento, ou seja, árvores ou edifícios muito altos próximo ao local desejado, que possa inviabilizar a instalação.

3.   Quando posso instalar o aquecimento solar?

Muita gente se pergunta se apenas em obras novas (ou em construção) é possível instalar o sistema. E a resposta é não! Qualquer obra, mesmo que seja mais antiga, pode ter a instalação do aquecedor solar de água. É importante apenas se atentar quanto à tubulação necessária, um item indispensável para o bom funcionamento desse mecanismo. Porém é claro que em obras em construção a facilidade de instalação é maior.

      4.   O custo é muito alto para instalar esse sistema

Considerando os sistemas a gás e elétrico, o aquecimento solar de água possui um custo um pouco mais elevado. Mas a maior vantagem é no valor de manutenção. Por isso, o investimento inicial pode ser recuperado em pouco tempo (média de 2 anos, dependendo do consumo que você possui). Só para se ter uma ideia, há clientes que conseguem reduzir em até 40% a conta de energia elétrica ao utilizar o sistema de aquecimento solar.

5.    Só tenho água aquecida em dias de sol?

Essa é uma das perguntas mais recorrentes nos clientes que procuram se informar mais sobre o aquecimento solar de água. Como esse sistema atua com um reservatório de água com isolamento térmico (que impede a perda de calor ao longo do tempo), mesmo que o dia esteja nublado, ainda assim haverá água aquecida. Com apenas algumas horas de sol, é possível aquecer todo o conteúdo do reservatório e, assim, renovar o abastecimento. De qualquer forma, recomenda-se na instalação acoplar um sistema auxiliar de aquecimento, seja este a gás ou elétrico, para períodos em que o sol não apareça com tanta frequência (um cenário bem difícil de ocorrer num país tropical como o Brasil).

      6.   O que acontece com a água no período da noite?

Como dito na resposta anterior, o isolamento térmico do reservatório permite que a água permaneça aquecida por um período. Com isso é possível ter água quentinha para um bom banho a qualquer hora do dia (ou da noite).

7.   Qual retorno eu posso ter com o aquecimento solar de água

São dois benefícios bem claros: o primeiro deles, na economia da sua conta de energia elétrica, que pode reduzir em até 40% do valor, dependendo do consumo que você possui no local instalado. O segundo é quanto à sua consciência ambiental: você dará sua parcela de contribuição para o planeta, pois se trata de uma energia limpa e sem impacto ao meio ambiente.

 

   8.   O aquecimento solar de água gera energia?

Não, o aquecimento solar de água não gera energia. Há sistemas que podem fazer isso, mas que o custo é bem mais elevado e com uma complexidade maior do que o mecanismo criado para aquecer água. O sistema solar que gera energia é conhecido como sistema fotovoltaico.

 

   9.    Esse sistema prejudica o meio ambiente

De maneira nenhuma! O aquecimento solar de água é considerado uma energia limpa, ou seja, não emite gás carbônico (ou CO²). Para se ter uma ideia, a cada metro quadrado de coletor solar instalado, é evitada a inundação de até 112 metros quadrados de água para geração de energia elétrica por via hidrelétrica.

10.   A manutenção desse sistema tem custo elevado?

Pensando ainda em potencializar os resultados obtidos por esse mecanismo, recomenda-se promover a limpeza das placas de captação a cada seis meses, para garantir maior eficácia no aquecimento. O custo para isso é bem baixo, e menor se comparado aos sistemas de aquecimento a gás e elétrico. Fazendo essa manutenção correta, é possível manter esse sistema em bom estado durante décadas.

 

Fonte: Solarem

 

Elemento filtrante para a limpeza da Piscina

Categories: Tags:, , , , , , ,

 

 

VANTAGENS DE UTILIZAÇÃO

DURABILIDADE GARANTIDA:

  • Produto vitalício em sua utilização.

Economia:

  • Mínimos Consumos de Químicos, Água e Energia.

ÓTIMA QUALIDADE DE FILTRAÇÃO:

  • Retenção de até 1 micro de partículas sólidas.

OTIMIZAÇÃO HIDRÁULICA:

  • Perda de carga gerada e praticamente desprezível.

HIGIENE:

  • Produto asséptico que não gera biofilme.

MC2 TECNOLOGIA DE Anti-COMPACTAÇĀO:

  • Evita a Petrificação.

BENEFÍCIOS DO ECO-FILTRANTE:

  • ECONÔMICO
  • MELHOR LIMPEZA
  • HIGIÊNICO
  • REDUÇÃO DE CLORAMINAS
  • ECOLOGICAMENTE CORRETO
  • ELIMINA FLOCULANTES
  • OTIMIZAÇÃO HIDRÁULICA
  • MENOS ÁGUA, ENERGIA E Químicos.

Características:

  • COMERCIALIZADO EM SACOS DE 20 kg
  • CÁLCULO DE UTILIZAÇÃO: 25 kg/AREIA = 20 kg ECO-FILTRANTE
  • PALLETS COM 30 SACOS/ 600 kg

MODO DE USAR:

1 – Retirar o elemento Filtrante usado do Filtro
2 – Limpar totalmente o Filtro
3 – Verificar a necessidade de manutenção do Filtro como crepinas, etc.
4 – Adicionar o ECO-FILTRANTE no Filtro
5 – Garantir a vedação do Filtro
6 – Filtrar de 2 a 3 ciclos a piscina
7 – Verificar os resultados comparativos.

 

PISCINA LIMPA X CHUVA

Categories: Tags:

Se durante os dias de sol normalmente você coloca 4g de cloro para cada 1000 litros de água em sua piscina, no período de chuvas você deverá aumentar esta quantidade para garantir que a piscina não fique sem cloro mesmo quando cair toda aquela chuva que se espera para o final do dia. Se é certo que choverá, em geral pode-se adicionar mais 2 ou 3 Gramas à quantidade que é colocada normalmente.

Se durante a primavera você checa o PH, a alcalinidade e o cloro livre da piscina semanalmente, para fazer a limpeza da piscina na época de chuva são interessantes que você meça e corrija estes parâmetros diariamente! De preferência, medir e corrigir o PH, a alcalinidade e o cloro durante a manhã e repetir o processo durante a noite. Deve-se manter este controle dos parâmetros da piscina mais de perto, pois com as chuvas o PH e a alcalinidade tendem a diminuir. E nossas antagonistas, as algas, crescem vigorosamente em águas com PH ácido e alcalinidade baixa. Isso sem falar na demanda de cloro, que é maior no período do ano que chove.

Outra coisa que podemos fazer em especial no período das chuvas é aumentar a quantidade de pastilhas nos flutuadores e no dosador de cloro da piscina. É mais uma medida tomada a fim de garantir uma maior permanência do cloro livre na água da piscina, para evitar o crescimento das indesejadas algas e aquela conhecida tonalidade verde na água.

Uma quarta alteração no modo de limpar a piscina no período das chuvas é a utilização do algicida de manutenção. O algicida de manutenção é um produto especialmente desenvolvido para manter a piscina protegida das algas. Sabe-se que as algas vêm com a chuva, é sempre bom aplicar o algicida antes e durante o período das chuvas. Mas lembre-se não aplicá-lo no mesmo dia que colocar cloro na piscina ok?

O fato é que no período das chuvas a limpeza da piscina deve ser feita com um acompanhamento bem mais rigoroso e atento às necessidades do tratamento da piscina a fim de evitar que a piscina fique completamente verde ou turva.

Mosquito da dengue na piscina? Nem pensar!

Categories: Tags:, , , ,

Mantenha as bordas limpa. Previna-se

Quem tem piscina em casa sabe como é necessário o cuidado diário da sua piscina. Além de
manter a piscina sempre pronta para o uso, outra questão que preocupa é o surgimento dos mosquitos.

 

img_5566-baixa

 

 

A larva tem várias fases antes de se transformar em mosquito:
Fase 1 – Nesta fase do ciclo a vida do Aedes Aegypti, os ovos são depositados nas bordas da piscina não tratada.
Fase 2 – Na fase 2, as larvas se alimentam de substancias orgânicas presentes na agua. O cloro elimina as sustâncias orgânicas, o que impedirá que o processo continue e que os ovos transformem-se em mosquitos. Fique atento, pois além do uso regular do cloro, outra medida importante contra a dengue é limpar a borda da piscina.
Os ovos que são depositados na borda da piscina sobrevivem de 1 a 2 anos na borda seca e recebendo água o processo de evolução demora de 5 a 7 dias crescendo, respirando e se alimentando dos resíduos orgânicos. Limpando a borda piscina você elimina a possibilidade de procriação do mosquito. Os ovos são depositados nas paredes da piscina, logo acima do nível da água.

 

A filtragem diária é outra ação que ajuda no combate à dengue. Esta medida deve ser diária e por um período de oito horas, tomando também o cuidado com a limpeza de resíduos, materiais e a remoção de folhas, sujeiras e controlando o PH da água.

 

Na Sol e Ar Mundo Água você encontra os produtos necessários para um excelente tratamento da agua. Trabalhamos com Cloro, Robot, Panozon, Pool Clean e muito mais. Você encontra na nossa loja os últimos lançamentos para o tratamento da sua água seja para Piscinas, Banheiras e Ofurô.

Controle do ph da piscina

Categories: Tags:, , , , ,

 

Todo mundo que tem piscinas em casa ou em qualquer outro local já ouviu falar de uma coisa que chama-se “ph“.

O pH na verdade pode ser definido como a acidez de determinada substância.

O pH da piscina é na verdade a acidez da água da piscina. Resumindo, é a medição da quantidade de íons de Hidrogênio dispersos na água, o que na verdade, determina se a água está ácida, está neutra ou está alcalina (básica).

 

O pH ideal é 7.2! É um valor próximo ao pH da lágrima de nossos olhos, justamente para não irritar a vista dos banhistas.

MAS ATENÇÃO: Se o pH de sua piscina está variando demais, é sinal de que a alcalinidade está desregulada!

 Podemos citar vários motivos para se verificar e corrigir o pH da piscina.
  • Em primeiro lugar, os produtos químicos para tratamento da piscina caso sejam utilizados em uma piscina com água muito ácida, ou seja, pH menor que 7, vão apresentar resultados ineficientes, pois eles são feitos para serem usados em água com pH entre 7.2 e 7.6, ou seja, levemente alcalina.
  • Caso o pH esteja baixo, os banhistas sofrerão com irritações nos olhos, pele e mucosas e as partes metálicas dos equipamentos da piscina serão danificados devido ao processo de corrosão da água.
  • Caso a água esteja muito alcalina (básica), os produtos de desinfecção da água terão sua eficácia diretamente comprometida, a água da piscina se tornará turva facilmente e inicia-se, ao invés de processos de corrosão, processos de formação de calcário nas tubulações e equipamentos.
  • Como se não bastasse os usuários da piscina também irão sofrer irritações nos olhos, pele e mucosas.
Você pode até achar que alguns aspectos são desnecessários, mas a qualidade da água é fundamental para sua saúde! Seguindo essas dicas, você já pode nadar sem preocupação, aproveitando ao máximo sua piscina limpa e saudável!
A Sol e Ar tem os melhores produtos para o auxilio da limpeza da sua piscina.  Confira aqui!

Unidade Contorno:  (31) 3284-3131 | Unidade Sion: (31) 3289-8888 | Unidade Lagoa Santa:  (31) 3681-6423

Prevenindo o surgimento de algas na piscina

Categories:

Aqueles que têm piscina convivem com um problema muito comum: as algas. Essa praga não é necessariamente nociva ao ser humano, mas cria condições para o desenvolvimento de bactérias que podem ser muito perigosas à saúde. Além disso, esses microrganismos afetam a estética da piscina, retirando sua beleza e tornado-a pouco convidativo para nadar.

As algas possuem um formato microscópico e se reproduzem com muita rapidez. Por serem transportadas pelo vestuário utilizado pelos banhistas, chuva e vento, não há uma forma de prevenir que se instalem na piscina, mas é possível evitar o seu desenvolvimento, eliminando-as logo no início. Condições especiais são necessárias para o desenvolvimento das algas, como um nível de pH excessivamente alto ou baixo, baixo nível do cloro ou a temperatura da água. Realizar o tratamento correto da água e com freqüência, limpando a piscina regularmente e mantendo seus componentes nos níveis idéias são medidas importantes para evitar a proliferação de algas.

Quando a prevenção é ineficiente, identificar qual o tipo de alga se instalou na piscina é importante para solucionar esse problema. Mais de 20 mil tipos de algas são conhecidos, que são agrupadas pela cor que assumem. As quatro principais são:

Algas verdes: é o tipo mais comum e que assume a coloração verde, parecida com o musgo e é encontrada geralmente nas escadas, cantos e na linha de água. Essa alga pode ser aspirada ou escovada com facilidade, mas é apenas uma solução provisória que pede um tratamento adicional. Sua proliferação é rápida e pode cobrir toda a piscina em 24 horas.

Algas amarelas: desenvolve-se, principalmente, nas paredes mais sombrias da piscina. Com uma cor acastanhada ou amarela escura, essa alga não se desenvolve facilmente, porém sua eliminação é difícil, já que é resistente à escovagem.

Algas pretas: de coloração azulada, surgem como pequenas pintas no começo e também em áreas mais profundas da piscina. Sua proliferação é gradual, de início lento, mas que se espalha com rapidez, podendo cobrir todo o revestimento da piscina.

Algas rosa: apesar de serem conhecidas como algas, são na verdade fungos. É removida e eliminada com facilidade e apresenta uma consistência espumosa na linha de água.

Como solucionar esse problema?

A primeira medida a ser tomada com o surgimento de algas é a limpeza da piscina. Aspire o local, escove bem as paredes (dando atenção especial às áreas afetadas) e esvazie o cesto do skimmer. Realize também uma limpeza do filtro. O próximo passo é ajustar o pH da piscina e, em seguida, a sanificação da água, optando por um tratamento de choque com produtos específicos.

Após isso, deixe a água fluir permanentemente por 2 a 3 dias, escovando a piscina uma a duas vezes por dia durante esse período e verificando os níveis do pH e do cloro (acima das 6 ppm é o ideal). Verifique o estado do filtro e limpe-o, caso seja preciso, pois ele pode ficar sujo com a eliminação das algas. A manutenção deve voltar à forma habitual quando os níveis de cloro estiverem próximos ao 3 ppm, sendo necessário o cuidado de escovar a piscina todos os dias no período de uma semana após o tratamento.

Como usar sua Sauna com segurança

Categories:

1 Leia as instruções referentes à sauna que você está utilizando.

A maioria das saunas terá suas próprias dicas de segurança e avisos de cuidado. É importante familiarizar-se com estes avisos antes de utilizar a sauna. Se você não encontrar quaisquer instruções, pergunte à pessoa que esteja no comando ou ao responsável por tomar conta da sauna, eles deverão ter maiores informações.

  • Cheque a temperatura. A temperatura máxima para saunas pode variar de acordo com o seu país. No Canadá e Estados Unidos é de 90 ºC. Alguns países da Europa permitem temperaturas muito mais elevadas, o que pode ser inseguro.
  • A temperatura parece adequada para você ou está muito quente? Se você considerar que está muito quente, pergunte se pode ser desligada ou se a temperatura pode ser diminuída, do contrário, retire-se.

 

Esteja saudável.

Saunas são geralmente seguras para a maioria dos usuários, mas algumas pessoas precisam tomar precauções extras ou mesmo evitar o uso da sauna. Em particular, você precisa reconsiderar o uso da sauna caso:

  • Possua uma angina pectoris (angina de peito) irregular, pressão sanguínea irregular, ritmos anormais de batimento cardíaco, problemas mais sérios de coração, caso tenha tido algum infarto recente ou uma severa estenose aórtica.
  • Esteja grávida ou tentando engravidar (devido ao risco de elevar a sua temperatura central do corpo, podendo ocasionar desmaios, cólicas ou sofrer de exaustão por calor ou insolação).
  • Seja uma criança ou responsável por uma. Muitos locais não aceitam crianças abaixo de uma determinada idade na sauna.
  • Esteja mal por qualquer que seja a razão. Pergunte ao seu médico o que ele acha, já que algumas doenças, tais como resfriados, podem inclusive ser tratados ou aliviados com um curto tempo em uma sauna.
  • Se sinta mal durante algum momento na sauna – saia imediatamente.

 

Esteja bem hidratado(a).

É possível sofrer de desidratação em uma sauna. Isso pode levar à insolação se você não repor a quantidade de líquidos em seu organismo. Água e isotônicos são adequados, mas nunca consuma álcool antes ou durante o uso da sauna. Também é aconselhável que você não use uma sauna se estiver de ressaca. Beba entre 2 e 4 copos de água após a sauna.

 

Não utilize a sauna caso você esteja utilizando medicamentos.

A menos que você tenha a permissão de seu médico, esteja do lado da precaução. Alguns medicamentos podem impactar e prejudicar o seu suor, causando-lhe um super aquecimento rapidamente. Esclareça tudo isto com seu médico primeiramente.

 

 

Utilize trajes adequados.

Se você não está convencido(a) da limpeza da sauna, é uma boa ideia utilizar sandálias ou itens similares em seus pés. Em algumas saunas, as pessoas entram nuas – além de seus sentimentos pessoais em relação a isso, você pode considerar deixar algumas peças de roupa caso você esteja desconfortável quanto à higiene em uma sauna pública.

  • Considere sentar-se em uma toalha em uma sauna pública, ao invés de sentar-se diretamente no banco.

 

Evite ficar muito tempo na sauna.

O tempo apropriado para se ficar em uma sauna é entre 15-20 minutos, no máximo, e caso você sinta que está muito quente ou desconfortável, fique menos. É melhor entrar e sair, tendo intervalos com temperatudas mais baixas, do que assar na sauna por muito tempo.

 

Resfrie o seu corpo gradualmente após a sauna.

Algumas pessoas gostam de tomar um banho com água morna antes de se vestir após a sauna. Isto dependerá de como você se sente confortável, mas não é uma boa ideia sair da sauna diretamente para um choque térmico em um ambiente com temperaturas muito baixas.

Fonte: wikihow.com

Piscinas: Vinil, azulejo ou fibra? Descubra qual o modelo ideal para sua casa

Categories:

Nosso país encontra-se em segundo lugar no ranking mundial em número de piscinas, o que se deve ao fato de vivermos em um país tropical, onde a maior parte do tempo o clima é bastante quente, propício para banhos de piscina.

Devido a estas grandes aderências por parte dos consumidores existem atualmente diversos modelos de piscinas e opções para todos os gostos. Piscinas com água aquecida, hidromassagem, com luzes que mudam de cor, cascatas, tudo que for necessário para aumentar o conforto e corresponder às exigências estéticas impostas pelos donos, que cada vez mais optam por inovar e ousar.

Primeiramente devemos ponderar três itens antes de comprar uma piscina: tamanho desejado, área disponível e orçamento. Os tipos de materiais utilizados para construção das piscinas dependem da necessidade do cliente. Fibra de vidro, vinil ou azulejo, cada uma tem características específicas, variações no custo e aparência.

Piscina de fibra de vidro

A fibra de vidro é recomendada quando o orçamento for um pouco limitado, pois é mais barata e implica pouco tempo de instalação (geralmente são necessários apenas 10 dias de obra), bastando escolher o modelo adequado ao terreno  e à sua família. Os modelos são bastante variados, sua desvantagem é que, por ser um produto pré-fabricado, sua escolha está delimitada à oferta existente.

Piscina de vinil

As piscinas de vinil são recomendadas para quem queira versatilidade nos formatos, modelos e profundidade. São completamente adaptáveis ao espaço disponível, podendo acompanhar curvas e ângulos com perfeição. Tem uma variedade enorme de estampas, agradando todos os tipos de clientes.  Sua construção também é rápida e poupa tempo e mão de obra, o que implica também redução nos gastos. As piscinas de vinil têm também outra qualidade, são fáceis de limpar, devido a sua superfície lisa e sem rejuntes, que é o caso das piscinas de azulejos, que facilitam a formação de fungos e algas. Os valores das piscinas de vinil também não são muito elevados, o que se torna vantajoso, pois o que acabar por economizar na construção pode ser investido nos detalhes e acréscimos, como: aquecimento, luzes, hidromassagem, bancos dentro d’água e até mesmo uma prainha infantil.

Piscina de azulejo

Pelo contrário, as piscinas de concreto e azulejo, são bastante dispendiosas e exigem muito mais tempo de obras.  Sua maior vantagem é a durabilidade e possibilidade de personalização, podendo ser feita no formato desejado, correspondendo a qualquer exigência do cliente. Seu piso pode ser ilustrado com desenhos formados pelos próprios azulejos, o que tornam as piscinas únicas e arrojadas.  Podem ser revestidas com acabamentos cerâmicos ou pastilhas de vidro, que também encarecem o produto.  Sua construção deve ser muito bem planejada, pois podem surgir imprevistos que impossibilitem a construção inicialmente desejada, onde sejam necessárias alterações que podem implicar mais gastos.

O fundamental é planejar muito bem a construção da sua piscina, ponderando todos os pontos negativos e positivos de cada opção, comparando-os com seus desejos e é claro, orçamento disponível. Procurar sempre profissionais especializados, para não acabar sendo surpreendido e passar o verão, fora d’água.

Fonte: portaldapiscina

Entre em contato conosco e indicamos a melhor opção para sua família:  http://www.mundoagua.com.br/piscina/

Como assegurar o pH da água da sua piscina

Categories:

Aqueles que tem uma piscina em sua residência já ouviram falar sobre os níveis de pH. Essa sigla significa “Potencial Hidrogeniônico”, que se refere ao poder que determinada substância tem de concentrar íons H+. Em outras palavras, é a mediação da quantidade de íons de Hidrogênio presentes na água da piscina, determinando se ela está alcalina (básica), neutra ou ácida.

Controlar o pH da água da piscina é de suma importância para garantir a qualidade da água e também a durabilidade dos equipamentos e da piscina. Além disso, os níveis de pH da piscina são importantes para a segurança e limpeza do local e garante a eficiência do cloro. Veja abaixo como assegurar o pH da água da sua piscina.

Kit de pH

É importante ter sempre um kit de verificação dos níveis de pH em casa. Os modelos mais tradicionais contam com tiras de papel de Tornassol que mude a coloração ao entrar em contato com a água e indica qual é o nível de pH da piscina. É possível encontrar aparelhos eletrônicos para a medição do nível de pH da piscina.

Verificar duas vezes por semana

Verifique o nível de pH da piscina duas vezes por semana, no mínimo. Aumente o número de verificações em épocas que a piscina for utilizada com maior fre1uência, de modo a assegurar que um local mais limpo e um pH estável.

Qual o nível de pH normal?

Em termos químicos, o recomendado é que o pH da piscina fique acima de 7 e abaixo de 8, sendo um pH mais básico. Níveis entre os 7.2 e os 7.6 são considerados bons, com um indicador ideal entre os 7.4 e 7.5.

Controlar e acertar. O controle dos níveis de pH é fácil de ser realizado e é um hábito de manutenção da piscina. Acertar esse nível sempre que necessário é muito importante para a segurança daqueles que utilizam a piscina. Para que o pH normal seja assegurado, pode ser preciso aumentar ou abaixar o indicador. Um ácido será necessário se o pH estiver alto e uma base será necessária se o pH estiver baixo.

Como restaurar o nível?

Ligue o sistema de filtro da piscina antes de adicionar o ácido ou base necessária para restaurar o nível de pH da água. Com o sistema ligado, a água ficará em circulação, evitando que o químico fique apenas em uma região da piscina. Utilize luvas e óculos de proteção quando for realizar essa tarefa. Adicione o químico na área de maior profundidade da piscina e introduza-o em pequenas quantidades. Depois de uma hora do procedimento realizado, teste o nível de pH. Caso seja necessário adicionar mais químico, teste novamente depois de uma hora de feito esse procedimento. Esse processo deverá ser repetido até que o nível de pH volte ao normal.

Benefícios do uso de coberturas em piscinas

Categories:

As coberturas para piscinas têm se tornado muito populares entre aqueles que possuem piscina por apresentarem muitos benefícios como maior segurança e limpeza. Ao colocar uma cobertura na piscina você estará tornando-a mais segurança para crianças, adultos, idosos e também animais de estimação, evitando quedas perigosas.

O fato de proteger a piscina do acúmulo de sujeira na água e no fundo da superfície também é outra vantagem da cobertura, além de facilitar no momento da limpeza, diminuindo o tempo e esforço nesse processo. Folhas e lixo também influenciam na absorção de químicos, o que gera maior gasto e tempo na aplicação de produtos em caso de não ter uma cobertura. Veja abaixo mais benefícios advindos do uso de coberturas em piscinas.

  • Utilizar uma cobertura na piscina permite que o calor da água da piscina seja preservado, ocorrendo um aquecimento entre 5ºC e 7ºC. Caso a piscina já conte com um sistema de aquecimento, ela irá aquecer com mais rapidez e já está estará morna quando o sistema for acionado. Além disso, haverá uma economia financeira ao poupar dinheiro com eletricidade ou gás.
  • As coberturas para piscinas também evitam que a água evapore rapidamente, o que poupa também água e dinheiro. Quando a água evapora, minerais são deixados para trás, o que prejudica o equilíbrio da área e, consequentemente, aumentando os tratamentos químicos.
  • A cobertura também é indispensável no momento em que a piscina é hibernada para o inverno, por proteger a piscina de condições meteorológicas adversas e que podem danificar o funcionamento e a estrutura da mesma. Usar a cobertura nos meses mais frios do ano é importante para proteger a piscina da ploriferação de bactérias e algas.